sexta-feira, abril 01, 2005

Sugestões de leituras (de 1 a 7 de Abril)

O Exílio e o Reino, de Albert Camus (Livros do Brasil)
Seis contos reunidos pelo talento de Camus – “A Mulher Adúltera”, “O Renegado”, “Os Mudos”, “O Hóspede”, “Jonas” e “A Pedra que Cresce” – escritos um após o outro, em série, mas trabalhados isoladamente, com estilos diferentes, desde o monólogo interior à narração realista. O tema comum é o exílio. O exílio como forma de renascer e de negar a submissão a ideias erradas.

Mar de Glória, de Nathaniel Philbrick (Publicações Europa-América)
A história da grande expedição norte-americana de 1838 aos mares do Sul. Quatro anos na Antártida e no Pacífico resultaram em várias descobertas científicas e geográficas. Uma viagem que se quis esquecer devido aos maus-tratos causados à população pelo arrogante e paranóico Charles Wilkes, líder da expedição. A luta entre o homem e a natureza, a América e a Europa, a ciência e a política, os homens e entre cada um consigo próprio.

O Sonho dos Heróis, de Adolfo Bioy Casares (Cavalo de Ferro)
Só o punho decidido do argentino conseguiria aguentar durante mais ou menos 160 páginas um ritmo tranquilo para nas últimas dez ou 20 mudar por completo o rumo dos acontecimentos. Um livro sobre a insegurança na mudança da adolescência para a idade adulta e sobre a inevitabilidade do destino. Casares foi galardoado em 1990 com o Prémio Cervantes – o maior reconhecimento dado a escritores de língua espanhola – e este é um dos livros que explica porquê.

Malmequer, Bem-me-quer, de Claudia Carroll (Presença)
Esta é a estreia literária da actriz irlandesa Claudia Carroll. Um livro leve, espirituoso, que procura que o leitor se sinta bem em cada parágrafo. Um livro para divertir, escrito com simplicidade. A história de uma família rica e da sua vida depois da fuga do pai com uma jovem ajudante de cavalariça.

O Livro dos Homens sem Luz, João Tordo (Temas e Debates)
Livro de estreia, palavras que envolvem e sobressaltam, com as sombrias Londres e Brighton a fazer de cenário. Quatro histórias paralelas, em viagem entre o presente sem luz e o passado onde desligaram a corrente eléctrica das suas vidas. Um pesadelo que lembra Kafka por vezes, Edgar Allan Poe outras e que vai crescendo com um solidez que não deixa que se pare de ler no final da próxima página.

A Vizinha do Lado, de Barbara Delinksy (Difel)
Um jovem casal tem um objectivo comum a tantos outros: ter filhos. O tempo passa e Amanda não engravida. Paralelamente, uma jovem vizinha, viúva há um ano, descobre que vai ser mãe e recusa-se a revelar o nome do pai. A infertilidade é o ponto de partida de um livro sobre as dificuldades por que passa um casamento. E sobre tudo o que pode acontecer no dia-a-dia.
(by Luís Mateus)